11 de julho

Música na primeira infância

As crianças aprendem melhor do que os adultos. É na infância que desenvolvem o senso crítico e a coordenação motora. Iniciar a musicalidade durante essa fase, significa trabalhar a sensibilidade e fortalecer o aprendizado cognitivo de maneira mais eficiente.

“A música transforma. Ensinar uma criança a ouvir e sentir, através de melodias, traz resultados impactantes para seu crescimento pessoal, e as torna adultos diferenciados, mais críticos e humanizados”, explica Raul Jaime Brabo, coordenador do curso se Musicoterapia do Complexo Educacional FMU | FIAM-FAAM. Essa ferramenta auxilia no desenvolvimento emocional e intelectual das crianças. “Quanto mais cedo introduzirmos a musicalização na vida da criança, facilitará o ensino-aprendizado para diversas outras matérias e teorias. Mas isso não significa que um adulto que não teve essa imersão com a música quando pequeno, não possa desenvolver as habilidades emocionais através dessa ferramenta nessa fase. Nossos alunos aprendem muitas dessas técnicas no curso de Musicoterapia da FMU”, diz.

E quando falamos de música na primeira infância, não falamos apenas de música clássica, como encontramos em pesquisas diversas. Essas, efetivamente causam um impacto comprovado no desenvolvimento cognitivo, porém, segundo Brabo, são reações individualizadas, que variam de acordo com cada criança e sua sensibilidade. Além disso, a música, quando introduzida no ambiente familiar, estreia o relacionamento entre pais e filhos. “São diversos os benefícios oferecidos pela música. Tanto no desenvolvimento social, como pessoal. No curso de Musicoterapia, nossos alunos desenvolvem habilidades técnicas e terapêuticas que permitem trabalhar todos os aspectos psíquicos, sociais e individuais de cada ser, através da prática instrumental e sonoridades musicais”, completa.

Saiba mais sobre o curso de Musicoterapia. As inscrições para o vestibular estão abertas. Inscreva-se!