Mestrado em Saúde Ambiental

Apresentação

A partir do intercâmbio estabelecido entre os cursos de Medicina Veterinária e Direito nasce a proposta do curso de Mestrado profissional em Saúde Ambiental, que, integrando as áreas da tutela jurídica do meio ambiente, da eficiência e sustentabilidade na cadeia produtiva e do monitoramento da saúde ambiental, visa formar profissionais que atuem na Medicina da conservação, uma ciência com princípios e objetivos semelhantes aos da Biologia da conservação, mas acrescida de informações ecológicas com aspectos de saúde individual e populacional, aumentando a amplitude das análises do mosaico de dados que compõem a saúde ambiental. O Programa de Mestrado profissional em Saúde Ambiental da FMU é recomendado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC).

Objetivos

O Programa de Mestrado Profissional em Saúde Ambiental tem como objetivo geral formar profissionais capazes de analisar as relações entre ambiente e saúde, bem como mitigar, elaborar soluções e previsões sobre os efeitos decorrentes das ações ambientais na saúde humana e animal, e, como objetivos específicos:

1. Desenvolver conhecimento sobre a influência dos fatores ambientais no bem-estar e saúde humana e animal, bem como, da relevância das questões da saúde sobre o ambiente e a qualidade de vida.

2. Capacitar profissionais para atuar como agentes propagadores de educação sanitária e ambiental, estabelecendo elo entre as temáticas da Saúde e do Meio Ambiente.

3. Formar profissionais aptos a elaborar e implantar programas sanitários que contemplem o controle e a erradicação de doenças transmissíveis, envolvendo as etapas de diagnóstico, controle e monitoria sanitária.

4. Capacitar profissionais para atuar em programas de controle integrado de pragas, vetores e animais sinantrópicos, identificando situações de risco de saúde pública e estabelecendo estratégias de atuação e prevenção local, regional, nacional e internacional.

5. Desenvolver estudos sobre as tecnologias limpas de produção agropecuária, normas de biosseguridade e de bem-estar nas criações animais, bem como a rastreabilidade e certificação sanitária.

6. Formar profissionais aptos a analisar projetos e desenvolver ações que visem prever possíveis impactos ao meio ambiente, considerando fatores como legislação, política, programas de desenvolvimento sustentável e diagnóstico situacional e social para avaliar e reduzir o impacto ao meio ambiente decorrente de atividades agropecuárias.

7. Desenvolver alternativas de sustentabilidade para a gestão de recursos naturais renováveis e não renováveis e realizar planejamentos e estratégias em sistemas de gestão ambiental.

8. Capacitar profissionais para atuar em segurança de alimentos e a sua relação com o meio ambiente e saúde pública.

9. Capacitar profissionais a elaborar propostas de projetos de lei, administrativos de acordo com as avaliações ambientais atuais, com a finalidade de estabelecer futuras políticas públicas.

Edital

As inscrições poderão ser feitas no período compreendido entre 13 de novembro a 31 de janeiro de 2018.
Para a inscrição o candidato deverá ler atentamente as informações contidas no edital.

Veja

Edital – 1º Semestre de 2018 | Clique aqui para acessar o edital completo.

Bolsas – 1º Semestre de 2018 | Clique aqui para acessar o Descritivo de Bolsas completo.

Descritivo de Bolsas

Regulamento para concessão de bolsa institucional do programa de suporte aos mestrados acadêmico e profissional – Descritivo de Bolsas

Processo Seletivo

As inscrições poderão ser feitas no período compreendido compreendido entre 13 de novembro de 2017 a 31 de janeiro de 2018. Para a inscrição o candidato deverá ler atentamente as informações contidas no edital.

O curso, focado na Área de Concentração “Saúde Ambiental”, é composto pelas seguintes Linhas de Pesquisa: “Tutela Jurídica do Meio Ambiente”, ”Eficiência e Sustentabilidade na Cadeia Produtiva” e “Monitoramento da Saúde Ambiental”.

O Programa de Mestrado em Saúde Ambiental da FMU foi recomendado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC), em reunião do Conselho Técnico Científico (CTC), realizada em 19/12/2011.

Documentos

  • carta de intenção para o ingresso no Programa de Mestrado;
  • cópia autenticada do diploma de Ensino Superior;
  • cópia autenticada do Histórico Escolar do curso de Graduação;
  • curriculum vitae no padrão da Plataforma Lattes/CNPq (aqueles que não possuem precisam se cadastrar no site www.cnpq.br);
  • cópia autenticada da cédula de identidade (RG) e do CPF;
  • cópia autenticada da certidão de nascimento ou de casamento;
  • uma foto 3×4, obrigatoriamente colada na ficha de inscrição.

Do exame de Seleção

O exame de seleção para o Mestrado constará de:

  • entrevista com avaliação do curriculum vitae na versão lattes (www.cnpq.br) dos candidatos aprovados nas provas anteriores;
  • prova de língua estrangeira;
  • avaliação da carta de intenção.

Matriz Curricular

PROJETOS MULTIDISCIPLINARES EM SAÚDE AMBIENTAL

Ementa: Multidisciplinaridades, interdisciplinaridade e transdisciplinaridade. Complexidade ambiental. Métodos de busca de informações bibliográficas: fontes de informação teórica. Pesquisa em base de dados. Ética na pesquisa – Plágio acadêmico-cientifico e Fraude. Etapas da pesquisa e projeto de pesquisa/ABNT. Métodos de pesquisa. Plataforma lattes. A pesquisa e sua comunicação – Redação científica – estrutura do trabalho científico. Levantamento bibliográfico – prático. Propriedade Intelectual – INPI + Protocolos de Pesquisa. Normas e regulamentos da pós-graduação. Qualificação e defesa: elaboração de uma apresentação. Discussão dos projetos e elaboração da versão final. Ferramentas de formatação: Uso do word para normatização dos projetos – prática. Apresentação dos projetos interdisciplinares com a presença de professores das diferentes linhas de pesquisa.

Bibliografia

CAVALCANTI, C. (org.) Meio Ambiente, Desenvolvimento e Políticas Públicas. 3ª ed., São Paulo: Cortez: Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 2001.

DOMINGUES, I (org). Conhecimento e Transdisciplinaridade II: aspectos metodológicos. Belo Horizonte: editora UFMG, 2005.

HORGAN, J. O fim da ciência: uma discussão sobre os limites do conhecimento científico. São Paulo: companhia das Letras; 1998.

JACOBI, P. Ciência ambiental: os desafios da interdisciplinaridade. São Paulo: Programa de Pós Graduação em Ciência Ambiental da USP; 1999.

LEFF, E. (coord.) Complexidade Ambiental, A São Paulo: Cortez – EDIFURB – 2003

KORMONDY, E.J.; BROWN, D.E. Ecologia Humana. Tradução Max Blum, Coordenador Editorial W alter A. Neves, São Paulo: Atheneu,2002.

PHILIPPI JUNIOR, A.C.E.M.; TUCCI, D.J.; HOGAN, R. Navegantes. – Interdisciplinaridade em Ciências Ambientais – São Paulo: Signus Editora, 2000.

SANTOS, B.S. (org.) Conhecimento prudente para uma vida decente: ‘um discurso sobre as ciências’ revisitado. São Paulo: Cortez, 2004.

SOMMERMAN, A. Inter ou Transdisciplinaridade? Da fragmentação disciplinar ao novo diálogo entre os saberes. São Paulo: Paulus, 2006.

Periódicos atuais sugeridos e disponibilizados na ocasião da realização da disciplina.

Total PROJETOS MULTIDISCIPLINARES 5 cred. 0h

LINHA DE PESQUISA: TUTELA JURÍDICA DO MEIO AMBIENTE

Ementa: Princípios constitucionais do direito ambiental brasileiro. Direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado no âmbito constitucional e infraconstitucional: as normas constitucionais em face da lei 6938/81 e 9605/98. Bens ambientais e sua natureza jurídica. Tutela constitucional do patrimônio genético e a Lei 11.105/05 e MP 2186-16. Tutela constitucional dos recursos ambientais. A flora como recurso ambiental e sua tutela jurídica infraconstitucional (sementes e mudas). Código Florestal. Gestão de florestas em face da Lei n. 11.284/2006 e a produção sustentável A fauna como recurso ambiental. Criação e utilização de animais em atividades de ensino e pesquisa científica em face do direito ambiental constitucional: Lei n. 11.794/2008. Fundamentos constitucionais da agropecuária como atividade econômica: agricultura e pecuária e sua tutela jurídica. Pecuária com o emprego de técnicas que comportem risco para o meio ambiente e pecuária orgânica. Tutela jurídica do meio ambiente do trabalho em face das atividades agrárias. Tutela jurídica dos Recursos Hídricos. Direito da Energia em face das atividades agrárias. Agrotóxicos e sua tutela jurídica. A disciplina do Código de Defesa do Consumidor em relação aos agrotóxicos. Lei dos Agrotóxicos. Lei n. 7.802/89.

Bibliografia

ALBAMONTE. Il diritto ad un ambiente salubre: tecniche di tutela. Giustizia Civile, 1980.

ALPA, G. Diritto alla salute e tutela del consumatore. Rivista Trimestrale di Diritto Pubblico, 1975. _____. Danno biologico e diritto alla salute. Una ipotesi di applicazione diretta dellart. 32 della Costituzione. Giurisprudenza Italiana, 1967.

ALPA, G.; BESSONE, M. Tutela dell ambiente, ruolo della giurisprudenza e direttiva di common law. Rivista Trimestrale di Diritto Processuale Civile, 1976.

BASTOS, C. A tutela dos interesses difusos no direito constitucional brasileiro. Vox Legis, ano 13, v. 152, São Paulo: ago. 1981.

BUSNELLI; BRECCIA. Note sulla tutela della salute come interesse colletivo. In: Tutela della salute e diritto privato. Milano, 1978.

FIORILLO, C. A. P. Curso de Direito Ambiental Brasileiro. 12a edição. São Paulo: Editora Saraiva, 2011.

GIAMPIETRO, F. Diritto alla salubrità dellambiente. Milano, 1980.

GRINOVER, A. P. A tutela dos interesses difusos. São Paulo: Max Limonad, 1984. _____. A tutela jurisdicional dos interesses difusos. RP, ano 4, 1979.

MACHADO, P. A. L. Direito ambiental brasileiro. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1991.

MANCUSO, R. de C. Interesses difusos: conceito e legislação para agir. 2. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1991.

MELLO FILHO, J. C. de. Constituição Federal anotada. São Paulo: Saraiva, 1986. MOREIRA, José Carlos Barbosa. A proteção jurisdicional dos interesses coletivos ou difusos. In: A tutela… Max Limonad, 1984. ODUM, Eugene P. Fundamentos de ecologia. 4. ed. Lisboa: Calouste-Gulbenkian, 1988. OLIVEIRA, Waldemar Mariz de. Tutela jurisdicional dos interesses coletivos. In: A tutela… Max Limonad, 1984. SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 5. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1989.

WAINER, A. Legislação ambiental brasileira – subsídios à história do direito ambiental. Rio de Janeiro: Forense, 1991.

WATANABE, K. Tutela jurisdicional dos interesses difusos: a legitimação para agir. In: A tutela… Max Limonad, 1984.

Ementa: A disciplina abrange a proteção jurídica do equilíbrio do ambiente do trabalho, enquanto um direito fundamental do ser humano trabalhador, que a partir da Constituição Federal de 1988 e sua visão holística da questão ambiental, impõe um novo paradigma de proteção da saúde do trabalhador frente aos riscos de contaminação ambiental, exigindo uma visão integradora do meio ambiente, trabalho e saúde, que redefina o ambiente do trabalho em consonância com a qualidade ambiental propiciadora de condições adequadas para a sadia qualidade de vida do trabalhador. Serão abordados os seguintes temas: Meio ambiente na dimensão dos direitos humanos. Percepção e comunicação de risco no meio ambiente do trabalho. Relações constitucionais entre meio ambiente, trabalho e saúde. Meio ambiente do trabalho: fundamentos constitucionais. Meio ambiente do Trabalho: tutela da saúde do trabalhador. Biossegurança no meio ambiente do trabalho. Meio ambiente do trabalho: direito fundamental e sistema de responsabilidade do poluidor. Dano ambiental no meio ambiente do trabalho. Análise de Casos judiciais emblemáticos de contaminação da saúde do trabalhador.

Bibliografia

ANTUNES, P. B. Direito ambiental. 16. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014.

ANTUNES, R. A nova morfologia do trabalho e o desenho multifacetado das ações coletivas. In: SANTANA, Marco Aurélio & RAMALHO, J. R. (orgs.) Além da Fábrica: trabalhadores, sindicatos e a nova questão social. São Paulo: Boitempo, 2003.

BOBBIO, N. Teoria dell’ordinamento giuridico. Torino: Giappichelli, 1960.

BONAVIDES, P. Curso de Direito Constitucional. 29. ed. São Paulo: Malheiros, 2014.

COMPARATO, F. K. A afirmação histórica dos direitos humanos. 4. ed. rev. ampl. São Paulo: Saraiva, 2005.

FIGUEIREDO, G. J. P. Direito Ambiental e saúde dos trabalhadores. 2. ed. São Paulo: LTr, 2007.

MACHADO, P. A. L. Direito Ambiental brasileiro. 22. ed. São Paulo: Malheiros, 2014.

MAGANO, O. B. Manual de Direito do Trabalho. 2. ed. São Paulo: LTr, 1986.

MELO, R. S. Direito Ambiental do Trabalho e a saúde do trabalhador: responsabilidades legais, dano material, dano moral, dano estético, indenização pela perda de uma chance, prescrição. 5. ed. São Paulo: LTr, 2013.

OLIVEIRA, S. G. de. Proteção jurídica à saúde do trabalhador. 6. ed. São Paulo: LTr, 2011.

PADILHA, N. S. Do meio ambiente do trabalho equilibrado. São Paulo: LTr, 2002.

PADILHA, N. S. Fundamentos constitucionais do direito ambiental brasileiro. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

ROCHA, J.C. S. Direito ambiental e meio ambiente do trabalho: dano, prevenção e proteção jurídica. São Paulo: LTr, 1997.

SILVA, J. A. Direito ambiental constitucional. 8. ed. São Paulo: Malheiros, 2010.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. A prevenção das doenças ocupacionais. Lisboa: 2013. Disponível em: http://www.ilo.org/public/portugue/region/eurpro/lisbon/pdf/safeday2013_relatorio.pdf Acesso em: 09.12.2014.

TRINDADE, W. L. Riscos do trabalho. São Paulo: LTr, 1998.

Ementa: Políticas públicas no Brasil. Sistema de Saúde. Sistema de gestão ambiental. Histórico da saúde e do Meio Ambiente no Brasil. Movimentos sociais e a saúde pública. Movimentos sociais e o ambientalismo. Interdisciplinaridade na saúde e no meio ambiente e as relações interinstitucionais. Sistema Único de Saúde. Financiamento de políticas públicas de saúde e de meio ambiente. Gestão e gerência de serviços de saúde. Gestão e gerência de serviços ambientais. O profissional de saúde e de meio ambiente. Terceiro setor e os sistemas de saúde e ambiente. Produção técnica e a política pública de saúde e de meio ambiente.

Bibliografia

ALMEIDA, E.S. Cidade /Município Saudável – a questão estratégica: o compromisso político. Saúde Social, 6:71-81, 1997.

BARREIRA, M. C. R. Nobre C.; BRANT, M. C. Tendências e Perspectivas na Avaliação de Políticas e Programas Sociais. São Paulo: IEE/PUC,2001.

BEHRING, E. R.; BOSCHETTI, I. Política Social – fundamentos e história- 6 ed. São Paulo: Cortez, 2009.

BRASIL, Ministério da Saúde. Coletâneas e normas para o controle social no sistema único de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

BRASIL, Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, da organização e funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências (Lei Orgânica da Saúde). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1990.

BRASIL, Ministério da Saúde. 20 Passos para o Desenvolvimento de um Projeto de Cidades Saudáveis. Brasília RADIS/Fiocruz, Tema 19, R.J., 1995.

BRASIL, Ministério da Saúde. Norma Operacional Básica do Sistema Único de Saúde/ NOB-SUS 96. Gestão plena com responsabilidade pela saúde do cidadão. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 6 nov. 1996.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº 373, de 27 de fevereiro de 2002.Norma Operacional de Assistência à Saúde/NOAS-SUS 01/2002, Brasília/DF: Diário Oficial, 2002.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº 545, de 20 de maio de 1993, Brasília/DF: Diário Oficial, 1993.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 16 ed. Organização de Alexandre de Moraes. São Paulo: Atlas, 2000.

BUSS, P. et al. Promoção da Saúde Pública e Qualidade de Vida, R.J, Rev. Ciência e Saúde Coletiva, 5 (1): 163-177, 2000.

CARVALHO, E. F. Meio ambiente e direitos humanos. Curitiba: Juruá, 2007.

CECÍLIO, L. et al. O gestor municipal na atual etapa de implantação do SUS: características e desafios. RECIIS. Revista eletrônica de comunicação, informação & inovação em saúde, v. 1, p. 200-207, 2007.

DALLARI,S. O direito à saúde. Rev. Saúde Pública, v.22 n.1 São Paulo Feb. 1988. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89101988000100008

FERRAZ, S. T. Cidades Saudáveis- Uma Urbanidade para 2000. São Paulo: Ed. Paralelo, 1995.

FERRAZ, S.T. A pertinência da adoção da filosofia de cidades saudáveis no Brasil. Saúde em Debate, (41): 45-9,1993

GENTILE, M. Promoção da Saúde e Município Saudável. São Paulo: Vivere -Estudos em Políticas Sociais, 2001.

GOHN, M. G. O protagonismo da sociedade civil: Movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

JUNQUEIRA, L. A. P. Descentralização e intersetorialidade: a construção de um modelo de gestão municipal, RAP, RJ, FGV, 32 (2):11-22, mar/abril,1998

LEVCOVITZ, E; LIMA, L; MACHADO, C. Política de saúde nos anos 90: relações intergovernamentais e o papel das Normas Operacionais Básicas. Ciênc. saúde coletiva, São Paulo, v. 6, n. 2, p.269-293, 2001. OLIVEIRA, M. C. Discussões sobre o conceito de meio ambiente. Revista do Instituto Geológico, São Paulo, vol. 3, n. 2, p. 53-60, jul./dez. 1982.

PAIM, J. S. Gestão da atenção básica nas cidades. In: Os desafios para a saúde Coletiva no Século XXI. EDUFBA: Salvador, 2008. _________________. O objeto e a prática da Saúde Coletiva: o campo demanda um novo profissional? In: Os desafios para a saúde Coletiva no Século XXI. EDUFBA: Salvador, 2008.

PEREIRA, J. V. I. Sustentabilidade: diferentes perspectivas, um objetivo comum. Economia Global e Gestão, Lisboa, vol. 14, n. 1, 2009, p. 115-126.

RIBEIRO, G. L. Ambientalismo e desenvolvimento sustentado: ideologia e utopia no final do século XX. Ciência da Informação, Brasília, vol. 21, n. 1, p. 23-31, jan./abr. 1992.

SANTOS, N. Desenvolvimento do SUS, rumos estratégicos e estratégias para visualização dos rumos. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 429-435, abr. 2007.

SANTOS, L. Direito à saúde e sistema único de saúde: conceito e atribuições: o que são ações e serviços de saúde. In: Direito da saúde no Brasil. Campinas: Saberes, 2010.

SMANIO, G.P.; BERTOLIN, P. T. M. O Direito e as Políticas Públicas no Brasil. São Paulo: editora Atlas, 2013.

TEIXEIRA, C. F.; PAIM, J. S. Saúde em Debate. Rio de Janeiro, v. 29, n. 71, p. 268-283, set./dez. 2005.

TEIXEIRA, S. F.(org.). Reflexões Teóricas sobre democracia e reforma Sanitária. In: Reforma Sanitária em Busca de uma Teoria. São Paulo: Cortez,1989 UNITED NATIONS. The future we want (O futuro que queremos). Documento final da conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro, 2012. Disponível em http://www.un.org/disabilities/documents/rio20_outcome_document_complete.pdf .Acessado em 13/03/2017.

VIANA, L. A. Novos Riscos, a Cidade e a Intersetorialidade das Políticas públicas, Revista de Administração Pública, RJ, FGV, 32 (2):23-33, mar/abril 1998

VIEIRA, F. S.; ZUCCHI, P. Distorções causadas pelas ações judiciais à política de medicamentos no Brasil. Revista de Saúde Pública, v.41, n.2, p. 214-222, 2007.

VIEIRA-DA-SILVA, L. M; ALMEIDA FILHO, N. Equidade em saúde: uma análise crítica de conceitos. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, supl. 2, p. 217-226, 2009.

WANG, D. W. L. Poder Judiciário e participação democrática nas políticas de saúde. 2009. 104f, Dissertação (Mestrado em Direito). Faculdade de Direito, Departamento de Direito do Estado, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2009.

WESTPHAL, M.F. O movimento de Municípios Saudáveis e a Conquista da Qualidade de Vida, Ciência e Saúde Coletiva, 5 (1)39-51, 2000.

WESTPHAL, M. F. ; Mendes, R. ( 2000) Cidade Saudável: uma experiência de interdisciplinaridade e intersetorialidade, Revista de Administração Pública , RJ, 34(6):47-61, Nov/Dez 2000.

ZULAUF, W. E. O meio ambiente e o futuro. Estudos Avançados, v. 14, n. 39, p. 85-100, mai./ago. 2000.

Ementa: Nanotecnologia como tecnologia convergente. Economia sustentável. Processo do conhecimento e inovação de novas tecnologias. Nanotecnologia, fronteira tecnológica e efeito multiplicativo para os diversos setores. Propagação da tecnologia nano nos sistemas e indústrias da economia. Utilização de produtos e processos da nanotecnologia, riscos e vantagens, mecanismos de intervenção e sustentabilidade no contexto da agricultura. Nanoalimentos. Aspectos regulatórios.

Bibliografia

AITH, F. Curso de Direito Sanitário – a proteção do direito à saúde no Brasil. São Paulo: Quartier Latin, 2007.

ALMEIDA FILHO, N. O conceito de saúde e a Vigilância Sanitária: notas para a compreensão de um conjunto organizado de práticas de saúde. In: Costa AE, organizadora. Vigilância Sanitária desvendando o enigma. Salvador: EDUFBA, 2008.

BATISTA, A. J. S.; PEPE, V. L. E. Os desafios da nanotecnologia para a vigilância sanitária de medicamentos. Ciênc. saúde coletiva, v.19, n.7, Rio de Janeiro, Julho de 2014. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014197.02462013 .

BRASIL, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Comitê Interno de Nanotecnologia. Diagnóstico institucional de nanotecnologia. Brasília, 25 de março de 2014.

BRASIL, Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI). Panorama Nanotecnologia. Série Cadernos da Indústria ABDI. Volume XIX. Brasília; 2010. Disponível em: http://www.abdi.com.br/Estudo/PanoramadeNanotecnologia.pdf.

BRASIL, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação. Estratégia Nacional de Ciência, Tecnologia e Inovação 2012-2015. Disponível em: http://www.mct.gov.br/upd_blob/0218/218981.pdf .

CAPRA, F.. O ponto de mutação. Tradução de Álvaro Cabral. São Paulo: Editora Cultrix, 2012.

CARVALHO, D. W. Dano ambiental futuro: a responsabilização civil pelo risco ambiental. Rio de Janeiro: Forense, 2008.

DE GIORGI, R. O risco na sociedade contemporânea. Tradução de Cristiano Paixão. Revista CCJ – UFSC, n. 28, ano 15, junho de 1994, p. 45-54.

ENGELMANN, W.; FLORES, A. S. As nanotecnologias e os marcos regulatórios. Desafios éticos e possibilidades legais para a construção de um direito que normatize as pesquisas. Revista Jurídica, ed. 61, sem numeração. Disponível em: http://revistavisaojuridica.uol.com.br/advogados-leis-jurisprudencia/44/artigo162268-1.asp

ENGELMANN, W.; GÓES, M. C. Direito das Nanotecnlogias e o Meio Ambiente de Trabalho. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2015.

ENGELMANN, W.. O diálogo entre as fontes do Direito e a gestão do risco empresarial gerado pelas nanotecnologias: construindo as bases à juridicização do risco. In: STRECK, L. L.; ROCHA, L. S.; ENGELMANN, W. (Orgs.). Constituição, Sistemas Sociais e Hermenêutica: Anuário do Programa de Pós-graduação em Direito da UNISINOS: Mestrado e Doutorado. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012, n.9, p. 319-344.

FERNANDES, M.F.M., FILGUEIRAS, C. Um panorama da nanotecnologia no Brasil (e seus macrodesafios). Quim. Nova, v. 8, n. 31, 2008, p.2205-2213.

MEDEIROS, E.S.; PATERNO L.G.; MATTOSO L.H.C. Nanotecnologia. In: Durán N, Mattoso LHC, Morais PC, organizadores. Nanotecnologia Introdução, preparação e caracterização de nanomateriais e exemplos de aplicação. São Paulo: Artliber, 2006.

MORIN, E. Cabeça bem-feita. Tradução Eloá Jacobina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

NUNES, R. Regulação da saúde. Porto: Vida Económica, 2014.

NUNES, J. P.. Pedidos de Patente sobre Nanotecnologia publicados no 1º semestre de 2010. INPI/DART/CEDIN/DIESPRO. Alerta Tecnológico nº 29; 2010. Disponível em: www.inpi.gov.br/menuesquerdo/…em…/alerta_nano_jan_jun_2010.pdf.

NUNES, J. P.; Rohem-Santos P. Pedidos de Patente sobre Nanotecnologia publicados no 2º semestre de 2009. INPI/DART/CEDIN/DIESPRO. Alerta Tecnológico nº20; 2010a. Disponível em: http://www.inpi.gov.br/menuesquerdo/informacao/alerta_nano_20.pdf.

ROSSI-BERGMAN, B. A nanotecnologia: da saúde para além do determinismo tecnológico. Cienc Cult, v. 2, n. 60, 2008, p.54-57.

SARAIVA, R. “Memórias de um átomo”: nanotecnologia, percepção do risco e regulação. In: GOMES, Carla Amado. (Org.) Direito(s) dos riscos tecnológicos. Lisboa: Associação Académica da Faculdade de Direito de Lisboa, 2014. p. 485-534.

SCHWARTZ, G. O tratamento jurídico do risco no direito à saúde. Porto Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2004.

VON HOHENDORFF R, ENGELMANN W, OSHIROV M. As nanotecnologias no meio ambiente do trabalho: a precaução para equacionar os riscos do trabalhador. Cadernos Ibero-Americanos de Direito Sanitário, 2013, v. 2, n. 2, p.668-683.

VON HOHENDORFF, R.; ENGELMANN, W. Nanotecnologias aplicadas aos agroquímicos no Brasil. A gestão dos riscos a partir do diálogo entre as fontes do direito. Curitiba: Juruá Editora, 2014.

Ementa: O perigo nos alimentos. Perecibilidade e as suas implicações para conservação dos alimentos. Doenças emergentes transmitidas por alimentos e a relação com o controle público e o privado. Responsabilidades estatais na promoção do direito à alimentação segura. Contaminantes nos alimentos. O Laboratório como instrumento para avaliação da qualidade dos alimentos. A importância dos diferentes tipos de embalagens na segurança dos alimentos. A Legislação de alimentos como suporte para a segurança desde a produção até o consumo; legislação consumerista aplicada à alimentação. A Inspeção de alimentos de origem animal e a sua participação histórica na prevenção das doenças transmitidas por alimentos. A utilização das ferramentas da qualidade para obtenção do alimento seguro. APPCC e PPO. Critérios para julgamento e destinação de alimentos impróprios para o consumo direto.

Bibliografia

BEHMER, M. L. A. Tecnologia do leite. 15ª ed. São Paulo: Nobel, 1991. 322p

BRASIL, Código de Defesa do Consumidor. Lei nº 8.078, de 11 de setembro de 1990. Dispõe sobre a proteção do consumidor e dá outras providências. Brasília, DF, Diário Oficial, 1990.

BRASIL, MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. Regulamento de Inspeção Industrial e Sanitária dos Produtos de Origem Animal. São Paulo: Reimpresso, 1977. 174p.

BREMNER, A. S. Higiene e inspeccion de la carne de aves. Zaragoza: Acribia, 1981. 210p CALIL, R. M.; AGUIAR, J. A. Aditivos nos Alimentos. São Paulo: R. M. Calil, 1999. 140p.

FRAZIER, W.C.; WESTHOFF, D.C. Microbiologia de luz alimentos. Zaragoza: Acribia, 1992. 550p.

GIL, J. I.; DURÃO, J. C. Manual de inspeção sanitária de carnes. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2002. 563p.

ICMSF, El Sistema de Analises de Riesgos y Puntos Críticos. Zaragoza, Acribia, 1991. 250p.

JAY, J. M. Microbiologia moderna dos Alimentos. Zaragoza: Acribia, 1993. 705p

LERAYER, A.L.S.; CARVALHO, A.F.; BUCIONE, A.; KESTENER,. PARDI, M. C.; SANTOS, I. F.; SOUZA, E. R.

PARDI, H. S. Nova legislação comentada de produtos lácteos e de alimentos para fins especiais, diet, light e enriquecidos. Ciência, Higiene e Tecnologia da Carne. Goiania: Ed. UFG., 2 vol., 1995.

LERAYER,A.L.S;CARVALHO,A.F;BUCIONE,A.;KESTENER,B.M.A.C.;MOSQUIM, M.C.A.; NUTTI, M.R.; SIMÃO, P.F. São Paulo: Fonte Comunicações, 1998. 212p.

MARINS, Bianca Ramos (Org.) Segurança alimentar no contexto da vigilância sanitária: reflexões e práticas. Rio de Janeiro: EPSJV, 2014. 288p.

PEARSON, A. M.; DUTSON, T. R. Advances in meat research: meat and poultry microbiology. Westport: Avi. Publ. Co., 1986. 435p.

PREUB, B. Fundamentos de la inspeccion de carnes. Zaragoza: Acribia, 1991. 219p.

PRICE, J. F.; SCHWEIGERT, B. S. Ciencia de la Carne y de los productos carnicos. Zaragoza: Acribia, 1994. 581p.

SHIBAMOTO, T.; BJELDANES, L.F.; Introduccion a la toxicologia de los alimentos. Zaragoza: Acribia, 1996. 203p.

SILVA JR., E. A. Manual de controle higiênico-sanitário em alimentos. São Paulo: Varela, 2005. 623p

WATSON, D. Higiene y Seguridad Alimentaria. Zaragoza: Acribia, 1994. 91p

Ementa: Histórico contextualizado global, nacional e local sobre a Saúde Única (One Health). Conceitos, bases científicas e fundamentos da proposta. Objeto e objetivos da Saúde Única. Estratégia de implementação e viabilização da proposta. Demandas estruturais e logísticas da Saúde Única na Saúde Ambiental. Inserção política e institucional. Áreas e setores de intervenção e impacto. Inclusão profissional das competências interdisciplinares. Planos de intervenção. Projetos transdisciplinares e apresentação dos artigos produzidos pelos mestrandos.

Bibliografia

Dukes TW. The other branch of medicine: an historiography of veterinary medicine from a Canadian perspective. Can Bull Med Hist 2000;17:229–243.

Enserink M. Medicine. Initiative aims to merge animal and human health science to benefit both. Science (New York, NY) 2007;316:1553

PIRES, M. F. C. Multidisciplinaridade, Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade no Ensino. Interface Debates, São Paulo, n, p.173-182, 1998.

Saunders LZ. Virchow’s contributions to veterinary medicine: celebrated then, forgotten now. Vet Pathol 2000;37:199–207.

Schwabe CW. Veterinary Medicine and Human Health, 3rd edn. Williams & Wilkins: Baltimore, 1984, pp 680.

Zinsstag J, Schelling E, Wyss K, et al. Potential of cooperation between human and animal health to strengthen health systems. Lancet 2005;366:2142–2145

MANGINI, Fernanda N. R.; MIOTO, Célia T. A interdisciplinaridade na sua interface com o mundo do trabalho. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rk/v12n2/10.pdf Acesso em: julho, 2012.

GATTÁS, M. L. B.; FUREGATO, A. R. F. Interdisciplinaridade: uma contextualização.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v19n3/a11v19n3.pdf . Acesso em: julho, 2012.

LUZ, M. Complexidade do Campo de Saúde Coletiva: multidisciplinaridade, interdisciplinaridade, e transdisciplinaridade de saberes e práticas – análise sóciohistórica de uma trajetória paradigmática. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v18n2/13.pdf Acesso em: julho, 2012.

NECKEL, G. L.; SEEMANN, G.; EIDT, H. B.; RABUSKE, M.M.; CREPALDI, M. A. Desafios para a ação interdisciplinar na atenção básica: implicações relativas à composição das equipes de saúde da família.Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v14s1/a19v14s1.pdf Acesso em: julho, 2012.

Total LINHA DE 23 cred. 0h

LINHA DE PESQUISA: EFICIÊNCIA E SUSTENTABILIDADE NA CADEIA PRODUTIVA

Ementa: Medidas de tendência central e de dispersão. Organização de bancos de dados. Elaboração de tabelas e gráficos; Amostragem. Testes de hipóteses. Comparação de duas amostras independentes e dependentes. Comparação de múltiplas amostras. Comparação de proporções (teste qui-quadrado). Correlação e regressão linear. A combinação de instrumentos em pesquisa-ação. Questionário e entrevistas: tipos e o processo de elaboração. Observação Sistemática e Participante. Grupo focal. História Oral. Mapa-Falante. Photovoice. Técnicas de análise: Análise temática de conteúdo; Discurso do Sujeito Coletivo. Triangulação de Métodos. Sistematização de Experiências.

Bibliografia

ALMEIDA FILHO, N.; ROUQUAYROL, M. Z. Introdução à Epidemiologia, 4ª Ed. Guanabara Koogan, Rio de Janeiro, 2006.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2011.

GIL, AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GONDIM, S.M.G. 2003. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia, 2003,12(24), 149-161. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/paideia/v12n24/04.pdf

HOLLIDAY, O.J. Para sistematizar experiências. Ministério do Meio Ambiente. Brasília, DF, 2006. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/168/_publicacao/168_publicacao30012009115508.pdf

IERVOLINO SA, PELICIONI MCF. A utilização do grupo focal como metodologia qualitativa na promoção da saúde. Rev. Esc. Enf. USP. 2001; 35(2): 115-121. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v35n2/v35n2a03

LAKATOS, E.M.; MARCONI,M. de A . Fundamentos de Metodologia Científica. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2005

LEFÈVRE, F. Discurso do Sujeito Coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa. 2ª ed. Caxias do Sul – RS: EDUCS, 2005.

LEFÈVRE, F.; Lefèvre, A. M. O sujeito coletivo que fala. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 10(20), 517-524, 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v10n20/17.pdf

MEDRONHO, R. A.; BLOCH, K. V.; WERNECK, G. L. Epidemiologia, 2ª Ed., Ed. Atheneu, 2008.

MINAYO MCS, ASSIS SG, SOUZA ER, orgs. Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

MINAYO, M.C.S. O desafio do Conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

PEREIRA; J. C. R. Bioestatística em outras palavras. Edusp, São Paulo, 2010.

PETRIE, A., WATSON, P. Statistics for Veterinary and Animal Science. Blackwell Science, Oxford, 2006.

SAMPIERI, RH; COLLADO, CF; LUCIO, MPB. Metodologia de Pesquisa. 5ª ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

SANTOS, BS. Um Discurso sobre as Ciências. 7ª ed. São Paulo: Cortez Editora, 2010.

SANTOS, BS. A Universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da Universidade. São Paulo: Cortez; 2011.

THIOLLENT M. Metodologia da pesquisa-ação. 18ª ed. São Paulo: Cortez; 2011.

THIOLLENT, M. J.; Toledo, R. F. Participatory Methodology and Action Research in the Area of Health. International Journal of Action Research, v. 8, p. 142-158, 2012. Disponível em: http://www.ssoar.info/ssoar/handle/document/41410

TOLEDO, R.F.; JACOBI, P.R. A Pesquisa-ação na interface da saúde, educação e ambiente: princípios, desafios e experiências interdisciplinares. São Paulo: Annablume; FEUSP; PROCAM, IEE, FAPESP, 2012 (Coleção Cidadania e Meio Ambiente).

TOLEDO, R. F.; GIATTI, L. L. Challenges to participation in action research. Health Promotion International (Print), v. 30, p. 162-173, 2015. Disponível em: https://academic.oup.com/heapro/article-lookup/doi/10.1093/heapro/dau079

VIEIRA, S. Bioestatística. Tópicos Avançados. Elsevier, São Paulo, 2010.

VIEIRA, S. Estatística Básica. Cengage Learning, São Paulo, 2012.

VIEIRA, S. Introdução à Bioestatística. 5a ed. Elsevier, 2015.

WALLERSTEIN N, Duran B. Community-based participatory research contributions to intervention research: the intersection of science and practice to improve health equity. Am J Public Health. 2010;100(S1):S40-6. Disponível em: http://ajph.aphapublications.org/doi/abs/10.2105/AJPH.2009.184036

THRUSFIELD, M. Veterinary Epidemiology. 3 ed. Blackwell Science, Oxford, 2007.

Ementa: Meio ambiente, sustentabilidade e gestão ambiental: questões socioambientais contemporâneas. Resíduos sólidos: caracterização, disposição e tratamento. Gestão Integrada e controle social: Política Nacional de Saneamento, Política Nacional de Resíduos Sólidos e Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos da cidade de São Paulo. Gestão ambiental e gerenciamento de resíduos de atividades agropecuárias. Responsabilidade socioambiental. Sistema de gestão ambiental – Padrões de gerenciamento. Planejamento ambiental. Determinantes socioambientais e matriz de indicadores. SISNAMA e Principais Leis Ambientais e Instrumentos de Gestão. Limites e desafios do Licenciamento Ambiental: Avaliação de Impactos Ambientais e Relatório de Impactos Ambientais – AIA/RIMA.

Bibliografia

[ABNT] Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR ISO 14001 – Sistema de gestão ambiental. Rio de Janeiro, 2000.

ALMEIDA, J.B.; MELLO, C.S.; CALVACANTE, Y. Gestão ambiental: planejamento, avaliação, implantação, operação e verificação. Rio de Janeiro, Thex, 2000.

BARBIERI, J.C Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos, 3ª ed., São Paulo, Saraiva, 2011.

BECK, U. A reinvenção da política: rumo a uma Teoria de Modernização Reflexiva. In: BECK, U; GIDDENS, A; Lash, S. Modernização Reflexiva: política, tradição e estética na ordem social moderna. Tradução de Magda Lopes. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 1997, p.11-73.

BRASIL. Lei Federal 12.305, de 2 de agosto de 2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos. In: [http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm]

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Manual de Saneamento. 4ª ed. Brasília, DF: Funasa, 2015.

CARVALHO, DW. O direito e o gerenciamento dos riscos ambientais. Gestão e Desenvolvimento. Instituto de Ciências Sociais aplicadas. p.101-107. Disponível em: http://periodicos.feevale.br/seer/index.php/revistagestaoedesenvolvimento/article/view/866

CARVALHO, KM; HIDD, RLC; SILVEIRA, DMRL. Responsabilidade socioambiental na gestão pública. II Congresso Consad de Gestão Pública – Painel 56: Gestão do meio ambiente II. Disposnível em: http://www.escoladegestao.pr.gov.br/arquivos/File/Material_%20CONSAD/paineis_II_congresso_consad/painel_56/responsabilidade_socio_ambiental_na_gestao_publica.pdf

BRASIL Conferência das Nações Unidas Sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento: A Agenda 21. Brasília: Senado Federal, 1995. 471598p. (Série Ação Parlamentar, n. 56).

DUARTE, CG; FERREIRA, VH; SÁNCHEZ, LE. Analisando audiências públicas no licenciamento ambiental: quem são e o que dizem os participantes sobre projetos de usinas de cana-de-açúcar. Saúde Soc. São Paulo, v.25, n.4, p.1075-1094, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v25n4/1984-0470-sausoc-25-04-01075.pdf

ESPINOSA, DCR; SILVAS, FPC. Resíduos sólidos: abordagem e tratamento. In: PHILIPPI JR., A.; ROMÉRO, M.A.

BRUNA, G.C. (editores). Curso de Gestão Ambiental. 2ª edição. Barueri, SP: Manole, 2014, p.195-255. (Coleção Ambiental).

FAO 2016 The state of world fisheries and aquaculture In: [http://www.fao.org/3/a-i5555e.pdf]

FAO Rome, 2007 Waste management opportunities for rural communities In: [http://www.fao.org/fileadmin/user_upload/ags/publications/K1455E.pdf]

FAO Canadá 2000 Waste from Processing Aquatic Animals and Animal Products: Implications on Aquatic Animal Pathogen Transfer In: [http://www.fao.org/docrep/003/x9199e/X9199E00.htm#Contents]

FINK, D.; JUNIOR HAMILTON, A.; DAWALIBI, M. Aspectos Jurídicos do Licenciamento Ambiental. São Paulo, Brasil: Forense Universitária, 2002.

FRANCO NETTO G, FREITAS CM, ANDAHUR JP, PEDROSO MM, ROHLFS DB. (2009). Impactos socioambientais na situação de saúde da população brasileira: Estudo de indicadores relacionados ao saneamento ambiental inadequado. Tempus – Acta de Saúde Coletiva, 3(4): 53-71

FREIRE, EP; BARREIRA, LP. Planos de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos: Instrumento de Gestão de Resíduos nos Municípios Brasileiros. In: SILVA, RP. (org.). Gestão contemporânea dos resíduos sólidos: nova era para a destinação adequada do lixo gerado na cidade de São Paulo. São Paulo: Instituto Macuco, 2015, p.15-28.

GIDDENS, A. A terceira via: Reflexões sobre o impasse político atual e o futuro da social-democracia. Rio de Janeiro: Record, 2000.

GUIVANT, JS. O Legado de Ulrich Beck. São Paulo. Ambiente e Sociedade, v. XIX, n.1, p. 229-240, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/asoc/v19n1/pt_1809-4422-asoc-19-01-00227.pdf

JARDIM, A; YOSHIDA, C; MACHADO FILHO, JV. Política Nacional, Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Barueri, SP: Manole, 2012.

MAY, P. (org.). Economia do Meio Ambiente: teoria e prática., 2ª ed, Rio de Janeiro, Editora Campus-Elsevier, 2010

MILARÉ, E. Direito Ambiental São Paulo, Ed RT, 4ª ed., 2007

PHILIPPI JR., A.; ALVES, A.C. (editores) Curso Interdisciplinar de Direito Ambiental. Barueri, SP: Manole, 2005. (Coleção Ambiental).

PHILIPPI JR., A.; ROMÉRO, M.A.; BRUNA, G.C. (editores). Curso de Gestão Ambiental. 2ª edição. Barueri, SP: Manole, 2014. (Coleção Ambiental).

PHILIPPI JR., A. (editor). Saneamento, Saúde e Ambiente: Fundamentos para um Desenvolvimento Sustentável. Barueri, SP: Manole, 2003 (Coleção Ambiental).

ROCHA, José Dilcio. Resíduos da agricultura, pecuária e indústria podem ser usados como fonte de energia. Depoimento em 14.04.2014. CONEXÃO CIÊNCIA. Entrevista concedida à Juliana Freire. https://www.youtube.com/watch?v=aeeh5Au7qvA&feature=youtu.be

SÁNCHEZ, LE. Avaliação ambiental estratégica e sua aplicação no Brasil. Instituto de Estudos Avançados da USP, São Paulo, 2008. Disponível em: http://www.iea.usp.br/publicacoes/textos/aaeartigo.pdf

SMITH KR, EZATTI M. How environmental health risks change with development: The epidemiologic environmental risk transitions revisited. Annu. Rev. Environm. Resour. 2005; 30, p. 291-333

SOBRAL, A; FREITAS, CM. Modelo de organização de indicadores para a operacionalização dos determinantes socioambientais da saúde. Saúde e Soc. São Paulo. v. 19, n.1, p.35-47, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v19n1/04.pdf

SPADOTTO, C. A.; RIBEIRO, W. C. Gestão de resíduos na Agricultura e Agroindústria, Botucatu, FECAF, 2006.

STIRLING, A. Emancipating transformations: From controlling ‘the transition’ to culturing plural radical progress. The STEPS Centre, University of Sussex, Brighton, 2014.

TOLEDO, RF. Controle social, participação popular e educação ambiental: desafios para a Política Nacional de Resíduos Sólidos. In: SILVA, RP. (org.). Gestão contemporânea dos resíduos sólidos: nova era para a destinação adequada do lixo gerado na cidade de São Paulo. São Paulo: Instituto Macuco, 2015, p. 85-100.

Ementa: Tecnologias limpas a serem utilizadas na produção agrícola: Gestão do solo; Mobilização do solo; Gestão de nutrientes no solo; Rotações; Consociações; Relações entre plantas consociadas; Consumos energéticos e gestão de resíduos; Mecanização das operações; Utilização dos resíduos; Princípio da proximidade; Proteção das culturas; Utilização de medidas indiretas de luta; Avaliação da necessidade de intervenção; Monitorização; Utilização de medidas diretas de luta. Tecnologias limpas na produção animal: Pastagens, a base de uma produção animal; As pastagens e a diminuição da contaminação dos recursos hídricos por nitratos; As pastagens e a defesa dos solos contra a erosão; As pastagens e o sequestro do carbono; As pastagens e a valorização da paisagem e a fixação de populações no meio rural; Estratégias alimentares alternativas ou complementares para a redução dos impactos ambientais negativos da produção animal.

Bibliografia

BURG. I. C.; MAYER P. H. Prevenção e controles de pragas e doenças. Francisco Beltrão, 1998.

CAPORAL, F. R. e COSTABEBER, J. A. Agroecologia: Alguns conceitos e princípios. Brasília: MDA/SAF/DATER – IICA, 2004.

CUNHA, M. J.; AMARO. R.; OLIVEIRA, A.; CASAU, F. Tecnologias limpas em agro-pecuária. Editora Sociedade Portuguesa de Inovação, Porto, 1ed, 2005.

DORAN, J. W.; ELIOTT, E.; PAUSTIAN, K. Soil microbial activity, nitrogen cycling, and long-term changes in organic carbon pools as related to fallow tillage management, Soil and Tillage Research 49 (1-2): 3-18, 1998.

FAO World Agriculture: towards 2015/2030. Summary report, Food and Agriculture Organization of the United Nations, www.fao.org/ DOCREP, 2002.

FAO Development of a Framework for Good Agricultural Practices, COAG/ 2003/6, Food and Agriculture Organization of the United Nations, 2003.

GLIESSMAN, S. R. Agroecologia: processos ecológicos em agricultura sustentável. Porto Alegre: Editora da Universidade/UFRGS, 2000.

IDRHA Medidas Agro-Ambientais, Instituto de Desenvolvimento Rural e Hidráulica, MADRP, 2004 LOEHR,. C. Pollution control for agriculture, 2.ª edição, Academic Press, Londres.1984.

MADRP Conservação do solo e da água. Manual básico de práticas agrícolas, MADRP, 2000 VARENNES, A. Produtividade dos solos e ambiente, Escolar Editora,Lisboa, 2003.

Ementa: História natural das doenças. Causalidade. Fatores ambientais como determinantes de doenças. Delineamentos epidemiológicos. Epidemiologia descritiva. Séries históricas. Indicadores da ocorrência de doenças em populações. Análises de risco. Vigilância epidemiológica.

Bibliografia

ACHA, P. N. Zoonosis y enfermedades transmisibles comunes al hombre y a los animales. 3. ed. Washington: O.P.S., 2001.

ALMEIDA FILHO, N.; ROUQUAYROL, M. Z. Introdução à epidemiologia, 4ª Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

ALMEIDA FILHO, N.; BARRETO, M. L. Epidemiologia e saúde. Fundamentos, métodos e aplicações. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2012.

MEDRONHO, R. A.; BLOCH, K. V.; WERNECK, G. L. Epidemiologia, 2ª Ed., Ed. Atheneu, 2008.

PEREIRA; M. G. Epidemiologia – Teoria e prática. Ed. Guanabara Koogan. 1995. 2013.

PETRIE, A.; WATSON, P. Statistics for veterinary and animal science. Blackwell Science, Oxford, 2006.

ROUQUAYROL, M. Z.; GURGEL, M. Epidemiologia & saúde. 7ª Ed., Ed. Medbook.

THRUSFIELD, M. Veterinary epidemiology.3 ed. Blackwell Science, Oxford, 2007.

Ementa: Histórico e contextualização da produção e do bem-estar animal. Bioética. Ambiência e bem-estar na avicultura. Ambiência e bem-estar na suinocultura. Ambiência e bem-estar na bovinocultura. Bem-estar de peixes. Bem-estar de equinos. Sustentabilidade x produção animal. O uso de animais em ensino e pesquisa. Aspectos econômicos relacionados à produção visando o BEA. Aspectos jurídicos relacionados ao bem-estar animal. Transporte. Abate e eutanásia.

Bibliografia

MULLER, F.B. Bioclimatologia Aplicada aos animais domésticos. 2 ed. Porto Alegre: Sulina.

OIE (World Organisation for Animal Health). 2004a. Hand – book on Import Risk Analysis for Animals and Animal Products. Volume 1. Introduction and qualitative risk analysis. 57 pp. Disponível em: http://www.oie.int/ doc/ged/D6586.pdf OIE (World Organisation for Animal Health). 2004b. Hand – book on Import Risk Analysis for Animals and Animal Products. Volume 2. Quantitative risk assessment. 126 pp. Disponível em: http://www.oie.int/doc/ged/ D11250.pdf

EFSA (European Food Safety Authority). 2012. Guidance on risk assessment for animal welfare. EFSA Journal, 2513, 1-30. Disponível em: http://www.efsa.europa. eu/en/efsajournal/doc/2513.pdf FAWC (Farm Animal Welfare Council).

GRANDIN, T. Livestock handling and transport. London: CAB International. 2000.

GRANDIN, T. CATHERINE, J. Na língua dos bichos. 1a ed. Editora Rocco, 2008, 410p

Mellor D, Patterson-Kane E, Stafford KJ. 2009. The Sciences of Animal Welfare. WileyBlackwell: New York. PARANHOS DA COSTA, M.J.R.; SANT’ANNA, A.C. Bem-estar animal como valor agregado nas cadeias produtivas de carnes. Jaboticabal : Funep, 2016.

SILVA, R.G. Introdução a Bioclimatologia animal. São Paulo: Nobel, 2000.

Total LINHA DE 18 cred. 0h

LINHA DE PESQUISA: MONITORAMENTO DA SAÚDE AMBIENTAL

Ementa: Descrição dos parâmetros de monitoramento ambiental, verificando-se o efeito das ações antropológicas que causam direta e indiretamente intervenções de natureza técnica, desde as crônicas que modificam o ambiente sutilmente até aquelas que podem causar alterações irreversíveis e o colapso ambiental Serão abordados: os aspectos relevantes sobre os conceitos; definições técnicas; classificação e categorização das seguintes áreas de interesse: Bioquímica; Física; Biologia; Ecologia; Recursos naturais; Microbiologia; Toxicologia; Hidrobiologia; Parâmetros técnicos; Legislação, resoluções e normas específicas de padrão e intervenção; Métodos e tecnologias e sistemas de captação, tratamento, distribuição e consumo; Doenças de veiculação hídrica; Cadeias produtivas; Políticas públicas do setor e competências institucionais. Poluição, princípios de ecotoxicologia, bio indicadores e biomarcadores, adaptação e aclimatação. Protocolos para uso de biomarcadores em invertebrados e em teleósteos, tais como, metaplasia, apoptose, hipertrofia e hiperplasia, Relação núcleo-citoplasma, micro núcleos, genotoxidade, biomarcadores moleculares. Serão também desenvolvidas atividades práticas: análise e avaliação de riscos sanitários e ambientais; diagnóstico e planejamento estratégico de intervenções; estudo de casos; visitas técnicas monitoradas.

Bibliografia

EMBRAPA MEIO AMBIENTE, QUEIROZ, J.F.; MOURA, M.S.G.; TRIVINO-STRIXINO, S. Organismos bentônicos: biomonitoramento da qualidade de água, Jaguariúna, 2008 91p.

LANA, P; BIANCHINI, A.; RIBEIRO, C.A.; NIENCHESKI, L.F.H.; FILLMANN, G.; SANTOS, C.S.G. Avaliação Ambiental de Estuários Brasileiros:aspectos metodológicos, Editora do Museu Nacional, 2006

HAYES, W.J. ; LAWS, E.R. Handbook of Pesticide Toxicology. Vol 1, 2 e 3. Academic Press Inc, USA, 1991.

KNIE, J.; LOPES,E. Testes ecotoxicológicos: métodos, técnicas e aplicações. FATMA/GTZ. 2004.

ÁREAS CONTAMINADAS: Remediação e Redesenvolvimento. Estudos de casos Nacionais e Internacionais. – Instituto Ekos Brasil, GTZ. – São Paulo: Signus Editora. 2005, 168p.

AZEVEDO, F. A. et al. As Bases toxicológicas da ecotoxicologia. Editora RIMA, 2003, São Paulo. 340p.

ALMEIDA, R. Planejamento ambiental. Rio de Janeiro : Thex Editora, 154p.1993.

APHA – American Public Health Association. Standard methods for examination of water and wastewater. Greenberg, A. E.; Clesceri, L. S. e Eaton, A. D.,V 1 (ed.) 20. ed. Washington : APHA, 1998.

BRAILE, P. M. Manual de tratamento de águas residuárias industriais. São Paulo: CETESB, 764p, 1993.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. Saúde ambiental : guia básico para construção de indicadores / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador. – Brasília : Ministério da Saúde, 2011. 124 p. : il. – (Série B. Textos Básicos de Saúde)

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Conselho Nacional do meio ambiente (Conama). Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. BRASIL. MMA – Ministério do Meio Ambiente, Programa Monitore: Diretório das Instituições que Realizam Monitoramento Ambiental. Brasília:MMA. 1998.

PHILIPPI Jr., A. et al. Saneamento do meio. São Paulo : FUNDACENTRO, 1988

ZAGATTO, Eco toxicologia Aquática: Princípios e Aplicações. Editora: RIMA, São Paulo, 2008, 478p.

Ementa: Apresentação dos temas de interesse sobre as relações de causa e efeito que determinem impacto à vida e ao meio ambiente de forma direta e/ou indireta. Desenvolver habilidades e conhecimentos sobre todos os fatores envolvidos neste contexto, resultando em competências que irão subsidiar a elaboração de laudos periciais e/ou pareceres técnicos que possam instruir processos de identificação de risco, e de ocorrência de danos ambientais e de suas consequências a saúde ambiental. Serão abordados os aspectos relevantes sobre os conceitos; definições técnicas; classificação e categorização das seguintes áreas de interesse: Ecologia; Recursos naturais; Legislação ambiental específica; Diagnóstico de danos ambientais e noções de passivo ambiental; Análise de riscos de acidentes ambientais; Técnicas de sensoriamento remoto e sistemas de informação geográfica aplicadas a perícia e avaliação de impacto ambiental; Valoração econômica do meio ambiente; Laudos periciais e pareceres técnicos; Fundamentos de avaliação de impacto ambiental; Processo de licenciamento ambiental; Etapas do planejamento e da elaboração de um estudo de impacto ambiental; Metodologia de identificação e avaliação de impactos ambientais, e de proposição de medidas ambientais (mitigadoras, compensatórias, etc.); Planos de gestão ambiental e monitoramento; Realização de audiências públicas; Acompanhamento e análise de processos de avaliação de impacto ambiental. E de forma prática, serão desenvolvidas atividades práticas relacionadas a perícia ambiental com base em estudos de caso e visitas técnicas, e elaboração de laudos periciais e pareceres técnicos. Também serão desenvolvidas atividades de identificação e avaliação de impactos ambientais, e de elaboração de estudos ambientais (EIA/Rima, EAS, RAP, etc.) vinculados a processos de licenciamento ambiental; além da análise da suficiência técnica de estudos ambientais e de processos de licenciamento ambiental com base em estudos de caso. Estão ainda previstas visitas técnicas e elaboração de laudos judiciais, pareceres técnicos, e estudos ambientais de avaliação de impacto ambiental.

Bibliografia

ACIESP. Glossário de Ecologia. Publicação no 103. 2ª ed. São Paulo: CNPq/FINEP/ACIESP. 1997.

ALMEIDA, J.R.; PANNO, M.; OLIVEIRA, S.G. Perícia ambiental. R.J. Thexed, 2003.

BYER, P.H; YEOMANS, J.S. Methods for addressing climate change uncertainties in project environmental impact assessments. Impact Assessment and Project Appraisal, 25(2): 85-99, 2007.

CUNHA, S.B.; GUERRA, A.J.T. (organizadores). Avaliação e Perícia Ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

GOLDBERG, J. Energia, meio ambiente e desenvolvimento. SP. EDUSP, 1998.

INTERNATIONAL ASSOCIATION FOR IMPACT ASSESSMENT. Principles of Environmental Impact Assessment Best Pratice. Fargo: IAIA, Special Publication v. 1. 1999.

MACHADO, P.A.L. Direito Ambiental Brasileiro. 5°ed., SP. Malheiros. 2001.

MARTINS JÚNIOR, O.P. Perícia Ambiental e Assistência Técnica: Instrumentos de Defesa dos Direitos Individuais e Coletivos. Goiânia: Kelps/Ed. UCG, 2006.

MAURO, C.A. (coordenador). Laudos Periciais em Depredações Ambientais. Rio Claro: Laboratório de Planejamento Municipal, DPR, IGCE, UNESP, 1997.

MEA – MILLENNIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT, Ecosystem and human well-being: a framework for assessment. Island Press, Washington, DC. 2003.

MECHI, A.; SANCHES, D.L. Impactos ambientais da mineração no Estado de São Paulo. Estudos Avançados 24(68): 209-220. 2010.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE/IBAMA. Manual de normas e procedimentos para licenciamento ambiental no setor de extração mineral. Brasília: Ministério do Meio Ambiente.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. Deficiências em estudos de impacto ambiental: síntese de uma experiência. Brasília: Escola Superior do Ministério Público da União, 2004.

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Relatório Final do Grupo de Trabalho criado pelo Ato PGJ nº 36/2011. São Paulo, 2012.

ODUM, E.P.; BARRETT, G.W. Fundamentos de Ecologia. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

PHILIPPI JR, A.; ROMÉRO, M.A.; BRUNA, G.C. (editores). Curso de Gestão Ambiental. Barueri, SP: Manole, 2004.

PRIMACK, R.B.; RODRIGUES, E. Biologia da Conservação. Londrina, PR: Editora Planta. 2008.

RAGGI, J.P.; MORAES, A.M.L. Perícias Ambientais: soluções de controvérsias e estudos de casos. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2005.

SAMPAIO, F.J.M. Responsabilidade civil e reparação de danos ao meio ambiente. 2° ed., RJ. Lumer Juris, 1998.

SÁNCHEZ, L.E. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. (2º ed.). São Paulo: Oficina de Textos, 2013.

SÁNCHEZ, L.E.; GALLARDO, A.L.F.C. On the sucessful implementation of mitigation measures. Impact Assessment and Project Appraisal, 23(3): 182-190, 2005.

TOCCHETTO, D. (coordenador). Perícia ambiental criminal. 3º ed. Campinas, SP: Millenium Editora, 2014.

VENDRAME, A.C. Perícia Ambiental: uma abordagem multidisciplinar. SP. IOB, 2006.

Ementa: Conceitos básicos de imunologia; Teoria da higienização; Imunidade das mucosas; Exposição a alérgenos; Tolerância imunológica; Resposta imune inata; Medidas para identificação de fatores de risco. Será realizada abordagen prática de avaliação da imunidade inata.

Bibliografia

CALICH V, Imunologia, Ed. Revinter, 2 edição, 2009.

ABBAS AK, Imunologia Celular & Molecular, Ed. Elsevier, 7 edição, 2012.

MURPHY K, Imunobiologia de Janeway, Ed. Artmed, 8 edição, 2014.

KINDT TJ, GOLDSBY RA, OSBORN BA, Imunologia de Kuby, Ed. Artmed, 6 edição, 2008.

CUNHA J, KREBS LS, BARROS E, Vacinas e Imunoglobulinas, Ed. Artmed, 2009.

PARHAM P, O sistema Imune, Ed. Artmed, 3 edição, 2011.

Artigos de periódicos na área: Nature Immunology. The Journal of Immunology. European Journal of Immunology.

Journal of Experimental Medicine. Journal of Allergy and Clinical Immunology. Allergy Asthma & Clinical Immunology.

Human Vaccines and Immunotherapeutics. Mucosal Immunology.

Ementa: Conceitos básicos de biologia molecular e celular. Conceitos básicos de microbiologia. Introdução às técnicas moleculares gerais (PCR qualitativa e quantitiva, sequencimento de ácidos nucleicos e eletroforese). Introdução às técnicas citológicas gerais. Introdução às técnicas histológicas gerais. Legislação correlata. Conteúdo Prático: Técnicas moleculares: Extração de ácidos nucleicos. PCR. Eletroforese de gel de agarose. Técnicas citológicas; Esfregaço. Câmara de Neubauer. Detecção e quantificação de bactérias. Coliformes fecais. Detecção de alterações citogenéticas. Micronúcleos. Técnicas Histológicas: Ensaios de ecotoxidade em organismos aquáticos. Avaliações histológicas em organismos aquáticos sob estresse ambiental

Bibliografia

CRUZ, H. M. da. Análises microbiológicas e físico-químicas – Conceitos para gestão ambiental. São Paulo: Saraiva, 2014.

DIJKSHOORN, L.; TOWNER, K. J.; STRUELENS, M.. New approaches for the generation and analysis of microbial typing data. London: Elsevier, 2001.

KASAHARA, S. Introdução à pesquisa em citogenética de vertebrados. Ribeirão Preto: SBG, 2009.

KREBS, j. E.; GOLDSTEIN, E. S.; KILPATRICK, S. T.. Lewin’s GENES XII. Burlington: Jones & Bartlett Learning, 2017.

PALUMBO, F.; ZIGLIO, G.; van der BEKEN, A. Editors. Water quality measurements series: detection methods for algae, protozoa and helminths in fresh and drinking water. Hoboken: Wiley, 2002.

SAMBROOK, J.; RUSSEL, D. W.. Molecular Cloning – A laboratory manual. 3rd ed. Cold Spring Harbor: Cold Spring Harbor Laboratory Press, 2001.

TORTORA, G. J.; FUNKE, B. R.; CASE, C. L. Microbiologia. 12. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

ZNEIMER, S. M.. Cytogenetic Laboratory Management. Hoboken: Wiley-Blackwell, 2017.

VILJOEN, G. J.; NEL, L. H.; CROWTHER, J. R.. Molecular diagnostic PCR handbook. Netherlands: Springer, 2005.

WATSON, J. D. et al. Biologia molecular do gene, 5a ed. Artmed, 2006.

Periódicos atuais sugeridos e disponibilizados na ocasião da realização da disciplina.

Total LINHA DE 15 cred. 0h

Coordenação

Andrea Roberto Bueno Ribeiro

Possui graduação em Zootecnia pela Universidade de São Paulo (1994), Mestrado em Animal Science pela University of Nebraska, Lincoln (1997), Doutorado em Zootecnia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002) e Pós-doutorado pela Embrapa Pecuária Sudeste (2009). Tem experiência na área de Zootecnia, com ênfase em Comportamento animal, Bem-estar animal, Adaptação e Tolerância ao calor.

Estrutura de pesquisa

Mestrado em Saúde Ambiental

L1: Tutela Jurídica do Meio Ambiente

Estudo dos princípios constitucionais do Direito Ambiental brasileiro tendo como base o direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado no âmbito constitucional e infraconstitucional. Bens ambientais. Tutela constitucional do patrimônio genético e dos recursos ambientais. Saúde única. Flora e fauna como recursos ambientais. Fundamentos constitucionais da agropecuária como atividade econômica: agricultura e pecuária e sua tutela jurídica. Defesa sanitária agropecuária. Tutela jurídica do meio ambiente do trabalho, dos recursos hídricos e da energia em face das atividades agrárias. Agrotóxicos e sua tutela jurídica. Tutela jurídica da saúde do trabalhador. Nanotecnologia e saúde ambiental.

Tutela Jurídica em Saúde Ambiental


Segurança dos Alimentos e Saúde da População


Saúde única; Estratégia Transdisciplinar para Saúde Global


Trabalho, Ambiente e Saúde do Trabalhador


Políticas Públicas e Responsabilidade Jurídica em Saúde Ambiental


Nanotecnologia e Sustentabilidade Aplicada à Saúde Ambiental


L2: EFICIÊNCIA E SUSTENTABILIDADE DA CADEIA PRODUTIVA

Avaliação de procedimentos do controle da poluição ambiental de origem agropecuária. Efeitos do ambiente na saúde humana e anima. Gestão ambiental. Gerenciamento de resíduos. A Produção de alimentos x sustentabilidade. Cadeias produtivas de alimentos de origem animal e vegetal. Investigações epidemiológicas. Sistema de análise de perigos e pontos críticos de controle. Boas Práticas de fabricação. Sistemas integrados de produção. Controle de populações animais e elaboração de programas de saúde, estudos de prevalência e incidência. Educação ambiental. Bem-estar na criação animal.

Gestão Ambiental, Sustentabilidade e Gerenciamento de Resíduos


Saúde Ambiental em Sistemas Agropecuários


Introdução à Análise Epidemiológica


Instrumentos de Coleta e Análise de Dados: Abordagens Quantitativas e Qualitativas


Tópicos Avançados em Bem-estar Animal e Ambiência


L3: MOnitoramento da Saúde Ambiental

Estudo do relacionamento da saúde pública e o meio ambiente. Métodos de diagnóstico de doenças relacionadas ao meio ambiente. Interpretação do impacto ambiental. Estudo das relações entre desequilíbrio ambiental e a ocorrência de doenças. Impacto ambiental. Medidas de controle relativas à transmissão de doenças. Ambiente x saúde.

Indicadores de Saúde Ambiental


Perícia e Avaliação de Impacto Ambiental: Aplicabilidade no Contexto da Saúde Ambiental


Influência da Exposição Ambiental na Imunidade Humana


Técnicas Laboratoriais Aplicadas ao Diagnóstico e Monitoramento Ambiental


Descrição dos Projetos

  • Profa. Dra. Renata Marques Ferreira
  • Prof. Dr. Erico da Silva Lima, Profa. Dra. Marcia Cristina Menão e Profa. Dra. Vanessa Aparecida Feijó de Souza
  • Profa. Dra. Márcia Cristina Menão
  • Prof. Dr. Erico da Silva Lima; Profa Dra. Andrea Roberto Bueno Ribeiro e Profa. Dra. Vanessa Aparecida Feijó de Souza
  • Profa. Dra. Andrea R. Bueno Ribeiro e Profa. Dra. Vanessa Ap. Feijó de Sousa
  • Profa. Dra. Andrea R. Bueno Ribeiro e Profa Dra. Vanessa Ap. Feijó de Sousa
  • Prof. Dr. Ricardo Palamar Menghini

Onde Estudar

loading

Informe seu CEP:

Veja todos os Campus