22/01/2009

FMU e prefeitura de SP criam projeto para atendimento à população do centro da cidade

FMU e prefeitura de SP criam projeto para atendimento à população do centro da cidade

 

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, se reuniu no dia 20 de janeiro, com professor Edevaldo Alves da Silva, presidente da FMU, para definir o modelo do projeto de assistência à população residente da região central da capital paulista.

Trata-se de uma parceria proposta pela FMU para a implantação de atendimento gratuito na área da saúde, que inclui fisioterapia, nutrição, fonoaudiologia, psicologia, odontologia, educação física, enfermagem, farmácia, biomedicina, musicoterapia e medicina veterinária.

O próximo passo é definir o bairro que será contemplado. A proposta, que inclui ainda assistência jurídica, prevê a baixada do Glicério ou a Luz.. “Contar com o know-how da FMU em projeto como este é algo extremamente valioso para a prefeitura e para a população”, afirmou o prefeito Kassab. “O projeto da FMU demonstra também o grande espírito público da instituição e de seus gestores com a cidadania”, completou.

Compareceram ao encontro, o vice-reitor da FMU, Arthur Sperandéo, o presidente do Instituto Metropolitano da Saúde, Arthur Roquete, o diretor de marketing da FMU, Sandoval Nassa, o secretário Municipal de Negócios Jurídicos, Cláudio Lembo, e o coordenador de Comunicação e Marketing da FMU, Thiago Nassa.

Todo o projeto será desenvolvido pelo Complexo Educacional FMU, por meio do Instituto Metropolitano da Saúde (IMS), seus alunos, professores e pesquisadores, não havendo custo para a prefeitura de São Paulo, que entra com apoio institucional no sentido de ceder os espaços necessários para a instalação de balcões de atendimento.

“O projeto contempla os mais altos padrões de educação e cidadania, pois engloba, ao mesmo tempo, a oferta de serviços gratuitos à população e a participação dos alunos como forma de estágio e aprimoramento acadêmico, além de estimular o engajamento social de nosso corpo estudantil”, comentou Arthur Roquete, presidente do IMS. 

“Se cada instituição de ensino superior, seja ela privada ou pública, ‘adotar’ um bairro da cidade para o desenvolvimento de projetos, a população e o próprio município teriam um ganho significativo em qualidade de vida e cidadania”, ressaltou Sandoval Nassa, diretor de marketing da FMU.

 


Página atualizada em 22/01/2009 às 8h19