03/04/2019

Aluno ganhou bronze no Campeonato Internacional paralímpico

Terminou, no dia 11 de março, no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, a seletiva do tênis de mesa para os Jogos Parapan-Americanos de Lima 2019, no Peru. Ao todo, 30 atletas já garantiram suas vagas para a principal competição das Américas e a lista conta com algumas surpresas como Carla Maia e Marliane Amaral e referendou a hegemonia de atletas consolidados.

Na Classe 2 masculina, para cadeirantes com tetraplegia, Iranildo Espíndola e Guilherme Costa, medalhistas nos Jogos Paralímpicos Rio 2016, endossaram a boa fase. Iranildo, que completa 50 anos em janeiro de 2019, vai tentar o quinto ouro consecutivo no megaevento continental e a quinta participação em Jogos Paralímpicos. O campeão do torneio individual no Peru assegura vaga em Tóquio, 2020.

“Desses 50 anos, metade é dedicada ao tênis de mesa. Vou lutar lá para conseguir essa quinta vaga paralímpica. O primeiro passo foi dado. Tenho uma característica boa: cresço nos momentos mais importantes. Foi assim na seletiva”, afirmou o atleta.

“Estamos aqui direto num CT fantástico, com toda a estrutura, e é nítido o nosso crescimento, de todos os que estão aqui. Temos de aproveitar isso. O resultado se reflete aí. Na hora da competição a gente tem tranquilidade, experiência, bota em prática”, avaliou Iranildo, que pretende estudar adversários chilenos e mexicanos que estão em alta no circuito internacional para tentar garantir mais um ouro no evento que será disputado entre 23 de agosto e 1º de setembro.

Rivalidade e parceria

Na Classe 7 masculina, para andantes, a rivalidade interna do CT Paralímpico entre Paulo Salmin e Israel Stroh se refletiu mais uma vez. Os dois têm longa data de confrontos equilibrados. Fizeram a final do Parapan de Toronto, em 2015. No Canadá, melhor para Salmin, ouro com 3 x 2 na decisão.

Nos Jogos do Rio, em 2016, Israel conquistou a prata individual, resultado inédito para o Brasil. No Mundial de 2018, na Eslovênia, Salmin foi o melhor brasileiro na categoria. Chegou às quartas de final. Nesta seletiva, jogaram duas vezes. Na fase de grupos, deu Israel. Na final, Salmin levou a melhor, novamente por 3 x 2. No dia seguinte, já sem Salmin na disputa pela segunda vaga, Israel foi o melhor.

“Para você ver o nível dessa seletiva. É um jogo que já decidiu Parapan. A gente, além do nível alto para a classe, treina praticamente todos os dias juntos. Por isso, conhecemos o jogo um do outro. Sabemos o que outro vai fazer, a variação”, explicou Salmin, que aposta na qualidade da dupla para projetar uma alta competitividade do país na disputa por equipes.

“Além de adversários, somos uma dupla forte. Temos objetivos na equipe. Em Tóquio vão juntar as classes 6 e 7, e nós dois somos da 7. Isso vale muito. Tem equipe que é um atleta 6 e um 7, tem equipe que é com dois 6. Isso mexe muito com a capacidade de movimentação. Temos chance real de medalha”, avaliou, numa referência ao fato de que os atletas classe 7 terem mais amplitude de movimentos do que os da classe 6.

“De fato a gente subiu alguns patamares nos últimos anos. Sou pragmático em fazer planos. Temos chances de pódio em Tóquio. Nossa dupla tem tido bons resultados. Ter o Paulinho por perto é um perigo no individual, mas um privilégio por equipes”, emendou Israel. “Ele é defensivo e sou ofensivo. Eu sou canhoto e ele destro. O bom da parceria é que não somos favoritos. Não temos esse peso. No Rio, isso foi ótimo para mim. Temos muito a acreditar e pouco a defender”.

Medalhistas paralímpicas na Rio 2016 e integrantes da seleção permanente, Jennyfer Parinos e Danielle Rauen ocuparam os dois postos destinados às classes de 8 a 10 feminina. “Tínhamos um favoritismo, mas que vem do trabalho que a gente tem feito. Nosso objetivo principal é o Parapan. A ideia é tentar ganhar o ouro para classificar uma em Lima e outra por ranking para Tóquio”, disse Rauen.

Retomada de posto

No grupo dos que retornam a um território que já conheciam com intimidade estão Luiz Filipe Manara, na classe 8 masculina, e Carlos Carbinatti, na classe 10. Os dois foram medalhistas de ouro no Parapan de Toronto, em 2015, mas andavam afastados do grupo desde o fim dos Jogos do Rio 2016, com a redução do número integrantes da Seleção permanente.

Carbinatti superou no primeiro dia da seletiva o atual titular da equipe, Diego Moreira. Diego também assegurou vaga no segundo dia de disputas. Manara foi absoluto contra Alexon Piccolin, João Martins, Lucas Grilo, Gustavo Laskosky e Nilson Oliveira. Venceu todos os confrontos sem perder um set sequer.

“Deixei de fazer parte da seleção por decisão técnica. Não me compete avaliar, mas decidi voltar definitivamente porque achei que tinha muito a render, até pela minha história de ter ganhado dois ouros em Toronto (individual e equipe) e de ter me classificado para a Rio 2016. Sabia de meu potencial. Nos últimos cinco meses me preparei exclusivamente para esta competição. Saí sem perder sets. Sei da qualidade de meus adversários. O placar elástico às vezes não mostra a dificuldade, cada ponto é muito disputado. Agora tenho um ano inteiro para trabalhar, chegar lá da melhor forma possível e tentar sair com o ouro de novo”, afirmou Manara.

OS 30 CLASSIFICADOS

Seletiva no CT Paralímpico, em São Paulo
Feminino
Classe 2 – Carla Limp
Classe 3 – Marliane Santos
Classe 4 – Joyce Quinzote
Classe 5 – Maria Luiza Passos
Classe 6-7 – Aline Ferreira
Classe 8-10 – Danielle Rauen e Jennyfer Parinos
Classe 11 – Ana Paula Cordeiro

Masculino
Classe 1 – Aloísio Lima
Classe 2 – Iranildo Espíndola e Guilherme Costa
Classe 3 – Welder Knaf
Classe 4 – Alexandre Ank
Classe 5 – Claudiomiro Segatto
Classe 6 – Goutier Rodrigues
Classe 7 – Paulo Salmin e Israel Stroh
Classe 8 – Luiz Filipe Manara
Classe 9 – Guilherme Ifanger e Ramon Colombo
Classe 10 – Carlos Carbinatti e Diego Moreira
Classe 11 – Lucas Hansen

Vice-campeã mundial
Cátia Oliveira (classe 2)

Quatro maiores pontuadores do ranking nacional adulto em 2018
Francisco Wellington (classe 8)
Claudio Massad (classe 10)
Conrado Contessi (classe 1)
Ecildo Lopes (classe 4)

Dois melhores no ranking Sub-18 na temporada
Millena França (classe 7)
Lucas Carvalho (classe 9)

Time São Paulo
Os atletas Danielle Rauen, Israel Stroh, Jennyfer Parinos e Paulo Salmin são integrantes do Time São Paulo, parceria entre o CPB e a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo que beneficia 62 atletas e seis atletas-guia de dez modalidades.

*Com informações do Ministério do Esporte
Assessoria de comunicação do Comitê Paralímpico Brasileiro
Fonte: cbp


Página atualizada em 03/04/2019 às 12h15