19 de Fevereiro

Aluno da FMU destaque como jogador de Hóquei In-line

Aluno da FMU destaque como jogador de Hóquei In-line

Celso Eduardo Bellegarde se interessou pelo Hóquei assistindo os treinos dos atletas na Sociedade Esportiva Palmeiras. Vizinho do clube, já praticava esportes por lá. Mas a grande paixão veio pelo hóquei que, até então, só via nos filmes.

A carreira desde então foi rápida. Um ano depois já se destacava no esporte e em 2003 disputava o campeonato mundial em Detroit, nos Estados Unidos. Celso, que é aluno do terceiro semestre do curso de Educação Física da FMU, acredita que esse foi o mais importante torneio que participou. Com apenas 16 anos já enfrentava equipes mais importantes do cenário mundial. O resultado foi um 4º lugar para a Seleção Brasileira, que ficou marcada na memória de Celso.

Mas nem tudo são flores para os atletas desse esporte. “Falta incentivo, patrocínio. Às vezes temos de pagar as despesas do próprio bolso”, confessa.  Celso acredita que isso se deve principalmente pelo fato de o hóquei não ser um esporte muito difundido no Brasil.

“Os atletas nos Estados Unidos são reconhecidos. No Brasil, o atleta trabalha, estuda, e treina quando dá tempo. Essa é a maior dificuldade”.

A grande decepção para Celso e seus colegas de seleção foi o hóquei ser cortado dos jogos pan-americanos do Rio de Janeiro. “O Brasil vinha de duas medalhas de bronze nos jogos anteriores. Aquele seria o nosso grande momento, sem contar a importância para a divulgação do esporte”, lamenta o atleta, acreditando que o hóquei perdeu seu momento mais especial.

Celso não esconde que tem ídolos no esporte. Acha que Rogério Watanabe, Daniel Bellangero (ex-BBB7) e Danilo Aurélio –  que parou de jogar pra ir trabalhar na Austrália – são os grandes destaques no Brasil.

O que vai fazer quando acabar a faculdade? “Pretendo ajudar na divulgação do esporte, mesmo que eu não esteja mais jogando”.  Se vai seguir a carreira de técnico de hóquei ele tem dúvidas. “Quero treinar algum time ou ajudar na preparação física, mas fico dividido. Técnico nessa área não ganha bem”, reconhece. Certeza mesmo ele só tem de que vai estar sempre ligado ao esporte, profissionalmente ou não.

Saiba mais:
As origens do Hóquei são muito antigas. Foi encontrado um baixo-relevo egípcio, que mostra um grupo de crianças batendo uma bola com um bastão muito grosso. Em Atenas também foi encontrado um baixo-relevo da civilização clássica grega, que representa vários jogadores em posição de jogar uma bola e empunhando aléus.

Na França, nos fins da Idade Média, o jogo era conhecido por Crosse e, por vezes, chamavam-lhe Hoquet, que, possivelmente, deu origem em inglês a Hockey. Outros autores defendem que o Hóquei (de rodas e de gelo) constitui uma derivante do jogo Bandy, cujo termo em inglês designa cajado e que era praticado pelos Índios Americanos.

Se o hóquei remonta à Antiguidade Pré-Clássica, a patinagem (deslizar em rodas) tem o seu aparecimento, segundo a existência de diversas gravuras, no início do século XII. A divulgação do primeiro patim de rodas é atribuída ao belga Joseph Merlin, mas foi a partir do jogo elástico do americano James Plympton (1850) que se deu a grande expansão da patinagem.

Hóquei  In-Line
O Hóquei  in-line utiliza o patins com rodas em linha e surgiu como forma de manter os atletas do Hóquei no gelo em atividade nas épocas em que não há gelo (verão norte-americano). Os primeiros registos de atletas a praticarem essa modalidade foi no fim da década de 1980, no estado da Flórida EUA. O esporte chegou no Brasil no ano de 1994.
Fonte: Wikipédia